29 maio 2012

LINHA DO VOUGA



Mais uma vez escolhi um dia de chuva para um passeio de bicicleta à descoberta de uma antiga linha ferroviária repleta de história.


Como não dava tempo para utilizar o Vouginha, de Espinho até a estação de Sernada de Vouga, lá tive de usar o carro para chegar rapidamente ao destino, junto do belíssimo rio Vouga.




Para quem não conhece e recomendo a viagem no Vouginha, comboio que percorre uma linha centenária, em que o revisor ou manobrador, tem de sair do comboio para fechar as cancelas das passagens de nível para o comboio passar, voltar abrir para o trânsito circular e entrar no comboio, antes de iniciar viagem.


Ponte sobre o rio Vouga, logo após a saída da estação, com comboio entre Sernada do Vouga e Aveiro e vice-versa. 


Antes de iniciar o passeio aproveitei para um reforço alimentar no café da estação, onde já se preparavam petiscos para o almoço.

Ainda me senti tentado, mas deixei para o meu regresso.


A saída estava receoso de ter alguma avaria irreparável na bicicleta, como da última vez que aqui estive com o Márito de Miragaia, que teve de me empurrar até Cacia, onde se resolveu o problema numa casa de bicicletas. 


Para quem gosta de pedalar pelas linhas de comboio uma informação importante.

Seguindo em direcção Aveiro pode visitar em Macinhata do Vouga o Núcleo Museologico e se for Verão nada como um pic-nic junto ao rio, desfrutando do sossego da região.


Pelas 11h00, começei a pedalar pela antiga Linha do Vouga, encerrada a 01 de Janeiro de 1990, com paisagens e estruturas dignas de serem observadas.




Locomotora com muitos quilómetros percorridos e passageiros transportados, há muito  que apodrece e serve de alvo para actos de vandalismo.


Logo à saída de Sernada uma ponte metálica de 40 metros de cumprimento, na estrada sobre o Rio Caima.


Captação de água em Sernada do Vouga.



Depois de passar por debaixo da A25, chegamos à freguesia de Carvoeiro, onde em tempos existiu um apeadeiro, agora apenas a placa.





Neste local começa o estradão da antiga linha do comboio.


Um exemplo da facilidade do terreno no início da linha


O estradão acompanha o rio Vouga, que segue do lado direito da ecopista. 


Com cerca de 5km percorridos cheguei ao inicio assinalado da ecopista de Sever do Vouga, junto à Foz do Rio Mau.
Pavimento betuminoso de cor vermelho, com sinalização vertical e no pavimento.


Segundo consta são 6,179 km de extensão até a estação de Paradela, que são feitos sem qualquer dificuldade física.



Pelo caminho o túnel de Rodão.
 


A antiga ponte ferroviária (8,76km, com 00:35:00), de tabuleiro horizontal, com doze arcos desiguais de volta plena, com grades de betão e ferro forjado.



A ponte foi concluída em 25 de Março de 1913 e fazia a ligação da via-férrea do Vale do

 Vouga (Espinho - Viseu).

Ao que parece foi considerada a ponte de pedra com maior aro do país, com 165 metros

de comprimento, e o maior arco tem um vão de 53 metros e 27 de altura.

 Vista da ponte para o café/restaurante sobre o rio Vouga.


Depois da ponte o trajecto começa a subir ligeiramente, afastando-se do rio, agora do lado esquerdo.

Túnel da Carvoeira


Para minha surpresa o caminho está repleto de pequenos túneis, curvas e contra-curvas e muito mato.

Túnel Vale do Côvo

Fim da ecopista junto da Estação de Paradela, que se encontra em obras de recuperação (11h49 - 10,80 km)

Voltou a chover intensamente.


Estações na linha do Vouga entre Sernada e Vouzela:
- Sernada
- Paradela (ultimo do distrito de Aveiro)
- Ribeiradio
- Arcozelo das Maias
- Pinheiro de Lafões
- Oliveira de Frades
- São Vicente de Lafões e
- Vouzela


Esta estação nos seus tempos áureos possuía um considerável movimento de mercadorias, pois, junto dela, existia uma grande fábrica de moagem movida a energia eléctrica, proveniente de uma mini-hídrica no Rio Vouga, instalada a um quilómetro no Pessegueiro.

Aqui não é possível seguir em frente porque "roubaram" a ponte sobre a estrada nacional 328. lol


No entanto a estrada contínuava do outro lado da nacional, na Rua do Vouguinha.



De Espinho até Viseu existem 20 túneis, numa extensão de 774 mt.

Túnel da Bouça da Pedra.


Talvez a ecopista com mais túneis.

Bem gostaria que nos túneis existissem placas de sinalização com o nome dos mesmos, mas isso era pedir de mais ou já foi tempo, por isso os nomes que se seguem foram retirados da net:

Entre Sernada e Vouzela:
- Rodão
- Carvoeira
- Vale do Côvo
- Bouço Pedra
- Zebadinho
- Tapada Velha
- Modorno I
- Modorno II
- Póvoa da Ursa
- Outeirais
- Portela
- Batôco
- Monte Cavalo I
- Monte Cavalo II

Túnel do Zebadinho

Túnel da Tapada Velha



Foto do mato denso que em alguns locais não permitia ver nada à volta.

Antes de chegar a Cedrim encontrei o primeiro obstáculo, graças ao proprietário de uns  terrenos, que decidiu ocupar a linha e colocar um portão a impedir a passagem de estranhos pela "sua propriedade", que se encontrava sem qualquer cultivo.

Estação de Cedrim abandonada



com muita vegetação em seu redor....mas que não foi preciso sacar da catana para abrir caminho.




Paragem debaixo de uma árvore para reforço alimentar, enquanto aguardava uns minutos que a chuva diminuísse.

Túnel de Mordono I


Apeadeiro de Senhora de Lourosa, na freguesia de Barreiro.


Daqui para a frente o caminho abandona a zona de mato, para uma área mais rural.

Passando inclusive pelo interior de um campo de futebol de 11, em Pinheiro de Bordalo, que felizmente não se lembraram de fechar a passagem....


Logo após, encontrei o segundo obstáculo, mesmo em cima da nacional, onde por cem metros é impossível circular pela linha, devido à construção de uma casa e a colocação de vedação a volta da propriedade.

Será que comprou a propriedade à Refer ? Estranho...


Estação de Arcozelo das Maias, felizmente recuperada e ocupada.



Túnel Povoa da Ursa.


Apeadeiro de Nespereira do Vouga.



Foi aqui, na antiga ponte ferroviária de Nespereira que me cruzei com a primeira pessoa...


Ponte dos Melos (em curva), próximo da igreja de Pinheiro de Lafões (14h10 - 32km - 2h05 a pedalar e 1h09 parado).



Uns metros à frente a ponte Pinheiro de Lafões.

Em tempos existiu nesta freguesia uma estação, que segundo consta foi destruída, para dar lugar a uns prédios....

 Túnel da Portela


Chegado a Oliveira de Frades (14h30), acabei por perder o rasto da linha.

Assim, para não andar as voltas e a perder tempo à procura do caminho certo, decidi perguntar a uma pessoa, e depois a outra, e a outra, mas nada. Ninguém conhecia a linha do Vouga.

Quando me apercebi já tinha perguntado a várias pessoas, inclusive em estabelecimentos comerciais, e o máximo que consegui foi saber o local da antiga estação de comboios, agora transformada numa central de camionagem.

Apartir desse local, com um pouco de orientação lá encontrei o estradão da linha, próximo da estação de São Vicente.


Mais uma abandonada...

Mais dois túneis antes de chegar a Vouzela.



Depois foi só atravessar a ponte sobre o rio Zela, para chegar ao centro de Vouzela.


Aqui fiz uma paragem de trinta minutos para reforço alimentar, antes de regressar a Sernada do Vouga.




Desta vez não espalhou e levei com chuva todo o caminho de regresso.

Saída da cidade (15h25 - 47 km - 2h52 pedalar - 1h41 parado) pela ponte de Vouzela, hoje convertida em zona pedonal.


Ponte em traves de madeira à saída de Vouzela.


Cheguei ao destino com 93km nas pernas em 05h09 e 1h57 parado a apreciar a paisagem.

Troquei rapidamente a roupa molhada e antes de regressar a casa, fui novamente ao café, para provar os peixinhos do rio...

7 comentários:

Sousa "Trepador" disse...

Grande Amigo Vítor, mantém sempre esse espírito puro de aventura,de descoberta e de muita rebeldia que te caracterizam, deliciando-nos com as muitas estórias do nosso belo país.
Abraço.

ECOBIKE disse...

Obrigado Nando
A uns anos atrás ainda pedalamos juntos por algumas ciclovias/ecopistas, coisas de mancos dizem alguns pseudo-prós.
Como tudo na vida tem de haver um tempo para tudo...
abraço

NunoBento disse...

Descrição muito boa.
Uma primeira "pedra" importante para a necessária reconversão em Ecopista de toda a linha do Vouga até Viseu.
Cmpts!

EmBee disse...

Parabéns ECOBIKE pela sua aventura mas sobretudo pela reportagem tão bem documentada. Há um ano tb andei por esses caminhos com amigos ciclistas tendo ficado por fazer precisamente a primeira parte do percurso. Ainda este mês contamos fazer o troço Sernada - Paradela. Um abraço boas pedaladas e quem sabe um dia nos cruzamos por aí numa ponte ou túnel "perto de si" :)

EmBee disse...

Olá ECOBIKE, Parabéns pela sua aventura mas sobretudo pela reportagem tão bem documentada e inspiradora. Há um ano tb andei por esses caminhos com amigos ciclistas tendo ficado por fazer precisamente a primeira parte do percurso. Ainda este mês contamos fazer o troço Sernada - Paradela. Um abraço boas pedaladas e quem sabe um dia nos cruzamos por aí numa ponte ou túnel "perto de si" :)

luis moita disse...

Dou-te os parabéns pela fantástica reportagem.
Dia 2 de agosto lá estarei novamente a sair no vouguinha em Sernada do Vouga com a minha BTT e seguir até São Pedro do Sul.

Abraço

Luís Moita

luis moita disse...

Dou-te os parabéns pela fantástica reportagem.
Dia 2 de agosto lá estarei novamente a sair no vouguinha em Sernada do Vouga com a minha BTT e seguir até São Pedro do Sul.

Abraço

Luís Moita